Agricultores de Giruá Visitam Agroindústria Familiar que Processa Butiá.

A Emater/RS-Ascar apoia as iniciativas de agricultores familiares na implantação e legalização de agroindústrias. Para dar conta destes objetivos, uma das atividades realizadas pelo Escritório Municipal de Giruá, foi organizar uma visita técnica ao município de Sete de Setembro, no dia 23 de junho.

Um grupo de 13 agricultores da Chamada Pública da Agroecologia, do Programa de Promoção da Inclusão Social e Produtiva e Defesa e Garantia de Direitos, extensionistas da Emater e representantes do Quiosque Aldeia Yatay, realizaram uma visita  à Agroindústria Familiar Sobucki, localizada na Linha Estefânia, há 14 km da cidade de Sete de Setembro.

Segundo relatos do Sr. Miguel e Sra. Eli Sobucki, a família trabalhava somente com os cultivos de soja, milho e trigo e tinha muitas dificuldades financeiras. A alternativa encontrada foi diversificar a produção e começar a investir em hortigranjeiros. Chegou um dia, quando sairam para vender sua produção de pepinos, que eles notaram que poderiam ganhar muito mais, industrializando a produção. Nasceu aí, o projeto da agroindústria de compotas, conservas, geleias, schmiers,etc. Mais adiante, devido ao sucesso da agroindústria de compotas, buscaram também a legalização da agroindústria de sucos e polpas de frutas, entre elas, o butiá, pitanga, guabiroba e outras frutas nativas. Esse processo teve o apoio de várias entidades, como a Prefeitura Municipal de Sete de Setembro e a Emater/RS-Ascar, mas foi devido a persistência da família Sobucki, que a agroindústria saiu do papel. Hoje a Agroindústria PCS (Produtos Coloniais Sobucki), possui o selo Sabor Gaúcho e pode comercializar compotas em todo o RS. No caso da agroindústria de sucos e polpas, a Agroindústria PCS (Produtos Coloniais Setembrense) a certificação e fiscalização sanitária é feita pelo MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), assim a família pode comercializar em todo o país.

Para o Chefe do Escritório Municipal da Emater, Diogo Krann Danda, a visita foi gratificante, pois os agricultores ficaram satisfeitos e tiveram oportunidade de conhecer os passos percorridos e as dificuldades enfrentadas pela família, para a instalação e legalização das agroindústrias, e principalmente, como eles utilizam a fruta símbolo do nosso município, o butiá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *