Aneel aprovou reajuste tarifário da RGE

A RGE informa que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou o reajuste tarifário anual (RTA) da concessionária, em reunião nesta terça-feira, 16 de junho. Contudo, o reajuste está suspenso até 30 de junho, seguindo as medidas aprovadas recentemente por conta da pandemia do novo Coronavírus.

Para os clientes do grupo B1 (residenciais), o percentual de reajuste médio é de 5,22%, e para os consumidores ligados à alta tensão (indústrias e grandes comércios), o reajuste médio é de 6,24%.

Para o cálculo das tarifas, a Aneel considera a atualização de custos com a compra de energia (geração), com sistema de transmissão e com a distribuição da energia elétrica (única parte gerenciável pela RGE), assim como com os encargos setoriais, conforme regras estabelecidas para o setor.

Este ano os principais fatores que levaram a esse resultado foram o aumento dos custos não gerenciáveis pela distribuidora, tais como aumento do custo de geração de energia por conta da expressiva alta do dólar e dos custos de transmissão por conta da incorporação de novas instalações a serviço dos consumidores.

É importante destacar que a maior parte do valor da conta de luz é destinada para o pagamento das despesas com compra de energia, sistema de transmissão, pagamento de tributos estaduais e federais e encargos setoriais, que não são gerenciados pelas distribuidoras. Ou seja, grande parte da conta de luz é composta por itens que a RGE não tem gestão direta, sendo apenas uma mera arrecadadora de recursos para a cadeia do setor elétrico e para os Estados e a União.

De uma conta de R$ 100,00, apenas R$ 19,40 se referem aos custos que a RGE gerencia, como custeio da operação, investimentos e remuneração do capital. Os outros R$ 80,60 se referem às despesas com a compra de energia, com o sistema de transmissão, com os encargos setoriais e com os tributos estaduais e federais.

Fonte: RGE