Em Alegria, Energia Solar Fotovoltaica oferece economia no meio rural

Em Alegria, Energia Solar Fotovoltaica oferece economia no meio rural

4 de setembro de 2019 0 Por admin
<script async src="https://pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<!-- NoroesteRS Horizontal Interna -->
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6671241058894185"
     data-ad-slot="5444180360"
     data-ad-format="auto"
     data-full-width-responsive="true"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>

“Ouvir alguém dizer eu estou feliz com o sistema de geração de energia solar é a melhor resposta e a maior recompensa por um serviço prestado”. A afirmação é do técnico da Emater/RS-Ascar de Alegria, Arlindo José Moura de Almeida, referente ao relato da assistida Marise Wisch, de 43 anos, gestora rural de uma propriedade onde são produzidos 2.500 litros de leite por dia, ao avaliar o sistema de energia fotovoltaica instalado em sua residência em dezembro de 2018 e que, ao longo de 2019, tem demonstrado sua eficácia na economia na conta de energia elétrica.

Mari, como é chamada, justifica que a “conta da luz cada vez mais elevada” foi o que motivou a procurar a Emater/RS-Ascar para elaborar o projeto e aproveitar o sol para a geração de energia em sua propriedade. Com a assessoria do engenheiro agrônomo Arlindo José Moura de Almeida, foram realizados o dimensionamento e orçamento do sistema, avaliação do local para a fixação das placas, elaboração de projeto de crédito e contratação da empresa para a instalação do sistema. No caso da propriedade de Mari, o sistema é composto por um inversor de 6,0 KWp, 14 placas de 330w que foram fixadas no telhado de sua residência, string box, dispositivos de proteção a surtos (DPS), aterramento e cabeamentos CC e CA.

As placas fotovoltaicas absorvem a luminosidade, sendo que as mesmas são fixadas em telhados ou no chão, de forma a captar o máximo de luz do sol, e o inversor transforma a corrente contínua em alternada, injetada diretamente na rede da concessionária de luz. Isso gera um crédito que é descontado na conta de energia elétrica. Com o sistema conectado à rede, a produtora tem à disposição quantidade de energia suficiente e paga somente a Tarifa de Uso dos Sistemas Elétricos de Distribuição (TUSD), ou seja, o custo de disponibilidade da rede.

Mari conta que nos primeiros seis meses foi gerada mais energia do que a quantidade consumida, havendo um saldo de 717 kWh, que poderão ser compensados nos próximos 60 meses. Ao se referir à viabilidade do negócio, a produtora disse que “o que pagaria de luz paga a parcela da Tarifa e ainda sobra dinheiro”, e afirmou ainda que “foi o melhor investimento que fiz até hoje”.

Os benefícios sociais e melhoria da qualidade de vida também têm seus reflexos na família, sendo que Mari conta sua satisfação de permitir que os filhos, Alberto, de sete anos, e Augusto, de dois anos, possam tomar banhos mais prolongados, além do maior conforto pelo uso do ar condicionado. “A energia solar é um excelente investimento, não pensei que seria tão bom”, comemora a produtora.

O sistema foi financiado pelo Pronaf Eco, com juros de 2,5% ao ano, com prazo de dez anos para pagar e período de carência de um ano para iniciar o pagamento.

Arlindo destaca que a Emater/RS-Ascar de Alegria foi pioneira na região na divulgação da energia solar fotovoltaica (off-grid) em 1995, através da equipe da época, que apresentou a proposta na 2ª Mostra Alegriense. Entretanto, foi o novo marco regulatório, através das Resoluções 482/2012 e 687/2015, que permitiu às unidades consumidoras gerar energia e conectar à rede (on-grid), motivando um maior interesse em sua instalação. “Assim, onde houver sol, uma unidade consumidora e rede elétrica, pode ser instado um sistema de micro ou minigeração”, destaca o engenheiro agrônomo.

Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar – Regional de Santa Rosa
Jornalista Deise Froelich
[email protected]
(55) 3512-6665 / (55) 9 9979-8195
www.emater.tche.br

Instagram: @EmaterRS

Fonte: EMATER/RS

<script async src="https://pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<!-- NoroesteRS Horizontal Interna -->
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6671241058894185"
     data-ad-slot="5444180360"
     data-ad-format="auto"
     data-full-width-responsive="true"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>
<script async src="https://pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<!-- NoroesteRS Horizontal Interna -->
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6671241058894185"
     data-ad-slot="5444180360"
     data-ad-format="auto"
     data-full-width-responsive="true"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>