Grupos de Mulheres de Giruá conhecem Programa Família Acolhedora

Grupos de Mulheres de Giruá conhecem Programa Família Acolhedora

23 de julho de 2018 0 Por admin
<script async src="https://pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<!-- NoroesteRS Horizontal Interna -->
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6671241058894185"
     data-ad-slot="5444180360"
     data-ad-format="auto"
     data-full-width-responsive="true"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>

Um cronograma de reuniões está sendo realizado com os grupos de mulheres assistidos pela Emater/RS-Ascar e Secretaria Municipal de Promoção Humana, em Giruá, para apresentar o Programa Família Acolhedora, executado pelo Poder Judiciário em parceria com o Poder Público Municipal. As reuniões são acompanhadas por profissionais como juíza, promotora, assistente social, psicóloga e conselheiros tutelares.

Encontros semelhantes foram realizados em outros espaços como Igrejas, Liga Feminina de Combate ao Câncer, Rotary Clube, Casa da Amizade, Apae, hospital, sindicatos e conselhos municipais do Idoso, da Educação e da Assistência Social.

Os primeiros encontros com os grupos de mulheres de comunidades do interior foram realizados no dia 18/07, na localidade de Cândido Freire, e no dia 20/07, na localidade de Santa Lúcia. Os próximos encontros serão com os grupos de mulheres de Esquina União, em 30/07, de Bela Vista, no dia 1º/08, Boca da Picada, no dia 08/08, e na comunidade de Santo Antônio, 17/08.

A finalidade principal do encontro é esclarecer e sensibilizar famílias a aderir ao Programa Família Acolhedora. A ação central do programa é cadastrar e capacitar famílias da comunidade para receber em suas casas, por um período determinado, crianças, adolescentes ou grupos de irmãos em situação de risco pessoal e social, disponibilizando amparo, aceitação, afeito e possibilidade de convivência familiar e comunitária. A família de acolhimento representa a possibilidade de continuidade da convivência familiar em ambiente sadio para a criança ou adolescente. Não se trata de um processo de adoção, onde o menor é integrado como filho. A chamada “família acolhedora” assume o papel de apoio e parceria no atendimento e preparação para o retorno à família biológica ou substituta.

Para acolher, a família recebe pelo período determinado de uma adoção provisória, de seis meses, uma ajuda de custo. Os grupos familiares serão selecionados, capacitados e acompanhados por uma equipe técnica disponibilizada pelo Poder Executivo Municipal.

A Comarca de Giruá, que coordena o processo, abrange também o município de Senador Salgado Filho, o que permite o acolhimento de crianças dos dois municípios através deste programa.

Fonte: EMATER/RS – ASCAR

<script async src="https://pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<!-- NoroesteRS Horizontal Interna -->
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6671241058894185"
     data-ad-slot="5444180360"
     data-ad-format="auto"
     data-full-width-responsive="true"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>
<script async src="https://pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<!-- NoroesteRS Horizontal Interna -->
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-client="ca-pub-6671241058894185"
     data-ad-slot="5444180360"
     data-ad-format="auto"
     data-full-width-responsive="true"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>